quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Eu te odeio.

Eu te odeio desde o primeiro minuto. No ensaio da sua banda. Costumo dizer que foi rejeição à primeira vista. Você, com suas camisetas xadrez, sendo gentil comigo. Eu bem sabia que só quem é gentil comigo, é quem tem segundas intenções. Seu babaca, de jeito nenhum mostrava que queria algo comigo, mas eu sabia que queria, todos os outros queriam. Seu jeito, amigável, sem querer nada em troca, seu abraço, totalmente despretensioso, e seu olhar. Nossa... Como eu odiava seu olhar. Me fazia acreditar que eu podia ser uma pessoa melhor, e que você só queria ser meu amigo.
Nada mudou enquanto você me confortava, seu imbecil. Ouvia todas as minhas asneiras, e o pior, me entendia. Conversávamos diariamente, para o meu desprazer. Você era idiota ao ponto de “defender minha honra” quando outros caras falavam besteiras de mim. Qualé, que tipo de cara fazia aquilo? Só você.
Meu ódio só cresceu, quando três dias depois da páscoa, eu te disse que não tinha ganhado ovo algum.  Você saiu, rodou a cidade inteira, e comprou o meu preferido para mim. Nem agradecer eu te agradeci. Também, quem mandou você ir lá comprar? Definitivamente não fui eu.
Odiei bastante quando um dia esqueci um trabalho em casa, e em meio a uma chuva torrencial você foi buscá-lo. Voltou com ele totalmente seco, embora estivesse espirrando e com as roupas totalmente ensopadas. Depois você me disse que foram os três dias de pneumonia que mais tinham valido à pena. Só podia ser retardado.
Você definitivamente estragou meu dia. Lembra, daquele dia, seu desgraçado? Naquele show de uma das bandas mais quentes do país. Quando você me tomou pelas mãos, olhando nos meus olhos com suas odiáveis esferas amendoadas. E disse que não queria que a nossa amizade acabasse, mas precisava me dizer algo. Eu bradei algum xingamento para se apressar. E você disse “Eu gosto de você”. Nada de “Eu te amo” nem “Eu te curto, gata”. Dose certa. E aquelas quatro palavras ainda tiveram a ousadia de sair aveludadas pela tua boca. Cachorro.
Eu não te entendo, mesmo te rejeitando, você não se afastou de mim. Disse que queria ser só meu amigo e coisa e tal. Só sendo panaca para querer ser amigo da menina que te rejeitou com um tapa na cara. Eu juro que vi uma lágrima estancar no seu olho. Patético.
Meses se passaram e meu ódio não diminuiu. Eu te contava sobre meus ficantes, peguetes e paixões, e você, ridículo, ainda continuava conversando comigo. Sem demonstrar nenhuma dor. Soube depois que era para não me preocupar. Coitado. Contei-te tudo da minha última paixão, e como ele era bom de cama. Ele virou meu namorado, lembra? Passamos muito tempo juntos, e você só olhando.
Odiei sua reação ao saber que eu estava grávida. Você ficou feliz por mim, e disse que era algo maravilhoso. O pai fugiu, reação certa de um homem. E você ainda se diz homem? Meus pais ficaram loucos atrás do pai, querendo saber quem era, querendo matar o infeliz, e me matar junto por não ter casamento. Ah... Como eu te odiei quando você assumiu a culpa, e disse que iria casar comigo.
Eu te disse que não te amava. Que nunca amaria. Você sorriu e disse que estava tudo bem. Só disse que queria me suportar, me apoiar. E que o seu amor era suficiente para nós dois. Nós três.
Mesmo casados, eu não iria parar de te odiar agora. Desistiu de ser desenhista para seguir a carreira dos pais, seria advogado para nos sustentar. Além de estudar e trabalhar o dia todo no escritório, ainda gostava de cuidar da nenê. Onde já se viu?
Eu odiava a maneira como você me olhava. Aqueles seus ainda irritantes globos amendoados brilhavam, ao simples vislumbre de mim ou da minha filha. A quem você insistia em chamar de “nossa” filha. Parecia que simplesmente não se importava que ela não era sua de fato. Você olhava como se fosse. Idiota.
Eu continuei te odiando quando você desistiu do seu sonho de viajar pro Japão para pagar o tratamento de coração da nossa filha. Não acredito o quão fácil você desistiu da sua poupança. Você juntava aquilo desde quando você tinha dez anos.
Todo dia, o ódio me vinha, quando mesmo depois de um trabalho extremamente exaustivo, você chegava a casa sorrindo. Brincava sempre com nossa filha. Tsk... De tanto você falar, também disse que ela é “nossa” filha. E depois de brincar, ainda conseguia me dar carinho. Não que eu te pedisse, você dava porque queria, oras.
Você não sabe o quanto te odiei, quando mesmo debilitado, e em frente ao aval positivo do médico para câncer em estágio avançado, você sorriu para mim e disse que iria estar tudo bem. Odiei-te profundamente, mesmo. Como você podia, naquele momento, pensar em fingir, para não me deixar preocupada, e não preocupar nossa filha? E ainda teve a ousadia de pedir para nós sairmos do consultório, só para perguntar ao médico “E agora? Como vai ficar minha família, doutor?”. Você só se preocupou com a gente! Seu grandessíssimo idiota!
Odiava-te quando sabia que você sentia dores na enfermaria, e quando nós chegávamos, você sorria. Eu te dizia para não se forçar a sorrir. E você retrucava que não estava forçando, que éramos nós duas que te davam força para prosseguir.
Eu te odiei até o minuto final. E você sabia da natureza do meu ódio.

Volta...

Deixa eu te odiar mais um pouquinho.

11 comentários:

  1. Isso é tão lindo... Parece o nascimento de um filho... xDDDD

    Adorei o texto, a versão final realmente ficou melhor. Bravery points for you por arriscar um P.O.V. feminino \o/ Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Puta merda Bê, paguei pau. ;x

    (É o GDê aqui, viu?!)

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Filho da puta. FAÇA UM NOVO FINAL!
    ESTOU TRISTE D=

    ResponderExcluir
  5. Isso é um texto perfeito para arrancar lágrimas. Well done, baby. Adorei seu eu-lírico feminino. Você evoluiu bastante... Keep writing like Johnny keeps walking.

    ResponderExcluir
  6. Retrato da ingratidão e do arrependimento.Muito bem construído, com destaque o uso do verbo odiar que no começo passa um "ódio genuíno" no começo e através da repetição acaba tornando-o um "ódio vazio" .... afinal, se você odeia algo ou alguém de verdade, por que passar o tempo todo afirmando isso? De tanto afirmar seu ódio para o leitor, a personagem acaba tendo que afirmar o ódio para si mesma, por que em algum momento disso tudo, ele se esvaiu...mas ela não admite. Um trabalho realmente bem feito.Agora se me dá licença...eu vou ler o resto do blog...

    ResponderExcluir
  7. /\ Tony Cândido, crítico e ensaísta.

    ResponderExcluir
  8. Fantástico, maravilhoso, fascinante...quer mais?! Perfeito! E eu achava que sabia escrever textos bonitos, tsc tsc tsc. Me colocou no chão. Autógrafo, please? =D

    ResponderExcluir
  9. Lindo e triste texto. Você escreve muito bem!
    Conseguiu transpassar todo o ódio de alguém que sente demais.

    ResponderExcluir
  10. Ah, nossa, finalmente achei o texto que eu demorei um século para entender... kkkkkkkkkkk. Lindo, mesmo. *-*

    ResponderExcluir
  11. Muito bom irmão! Continue a escrever!
    Beijo!!
    Udson

    ResponderExcluir